Como usar git subtree com o BRTOS

Com a mudança de repositório do BRTOS do SVN no Googlecode para o GIT no Github percebemos a falta no GIT de uma funcionalidade muito interessante do SVN e que é a possibilidade de fazer “SVN checkout/commit” de alguns diretórios selecionados do repositório ao invés do repositório inteiro. Assim, por exemplo, o usuário podia ter um subdiretório do BRTOS dentro do seu projeto principal, e podia mantê-lo sempre atualizado com o repositório principal do BRTOS e, até mesmo, submeter correções e atualizações a partir deste subdiretório.

Com o Git, embora seja possível se ter um subdiretório sempre atualizado, usando o “git subdmodules” ou o “git checkout”, as alterações feitas no subdiretório não podem ser diretamente enviadas ao repositório principal. Mas nem tudo está perdido, pois o Git oferece uma alternativa chamada “git subtree” que permite ter uma funcionalidade similar àquela do SVN, embora com um pouco mais de trabalho. A seguir vamos explicar como usar o “git subtree” em um projeto que utiliza o BRTOS.

Leia mais…

BRTOS 1.9x e mudança para o github

          É com grande satisfação que anunciamos a versão 1.9x do BRTOS com algumas novidades interessantes. Com a utilização de um novo algoritmo de alocação dinâmica de memória, agora é possível desinstalar tarefas. Os únicos recursos do sistema que utilizam a alocação dinâmica de memória são as tarefas dinâmicas (que podem ser desinstaladas) e as filas de tamanho variável. Dessa forma, todos os outros serviços do sistema ainda são baseados em alocação estática definida em tempo de projeto, com o intuito de evitar a fragmentação excessiva da memória RAM em sistemas embarcados. Leia mais…

BRTOS Reference manual available for download

BRTOS staff is pleased to announce the english version of the BRTOS reference manual. This manual provide a description of the main system settings, as well as tips on how to use each of the services available in BRTOS version 1.7x.

Leia mais…

Tags:,

Novo serviço do BRTOS: “soft timers”

timer-iconMais uma novidade do BRTOS… agora o BRTOS conta com um novo serviço: os timers em software (ou “soft timers”, ou apenas “timers”). Um “soft timer” permite executar uma função em um determinado tempo no futuro. Ainda, ele pode ser configurado para funcionar periodicamente, com período variável ou apenas uma única vez (“one shot”).

Muitas vezes em um projeto precisamos executar alguma função periodicamente (por exemplo, incrementar um contador de tempo ou gerar eventos temporizados). Leia mais…

Melhora do desempenho do BRTOS com a versão 1.76

Em uma postagem anterior utilizamos a ferramenta de benchmark neutra e de código aberto Thread-Metric para analisar o desempenho do BRTOS em um determinado mcirocontrolador, neste caso, o Coldfire V1. Passado um ano, o BRTOS sofreu correções, modificações e melhorias. Para verificar o impacto destas modificações no desempenho do BRTOS resolvemos aplicar os testes do Thread-Metric nas diferentes versões do  sistema. O BRTOS encontra-se atualmente na versão 1.76 e é comparado neste artigo com a versão 1.45.

Leia mais…

BRTOS para o TI Stellaris LM4F120 (EK-LM4F120XL)

     Mais uma novidade da equipe do BRTOS está disponível, o port para o novo microcontrolador da Texas, o LM4F120, baseado no core ARM Cortex-M4F. O port foi desenvolvido para o compilador do Code Composer e possui suporte para o salvamento condicional do contexto de ponto flutuante e interrupções aninhadas. O demo é composto por algumas tarefas, onde uma delas é responsável pela troca de cores do LED RGB do kit e outra implementa um terminal através de uma porta serial virtual (USB / classe CDC). Esse demo utiliza a biblioteca stellaris, ou seja, você pode aumentar as funcionalidades agregando funções implementadas na StellarisWare. O kit utilizado foi o EK-LM4F120XL.

Faça o download do demo no google code do BRTOS e experimente !!!

LwIP integrado ao demo do STM32F4

     Gostaríamos de anunciar mais uma novidade da equipe do BRTOS, o demo do stack TCP/IP LwIP integrado ao BRTOS para os microcontroladores STM32F4. A grande vantagem deste port é a utilização do compilador GNU GCC (integrado ao CoIDE)… ou seja, não há limitações de tamanho de código para o compilador. O kit utilizado foi novamente o STM32F4DISCOVERY, sendo que o módulo PHY ethernet utilizado (DP83848) e as conexões estão disponíveis aqui.

Faça o download do demo no google code do BRTOS e experimente !!!

Tags:, ,
%d blogueiros gostam disto: